Siroco

Ó minha alma cor lazuli,
     Alma minha que se confunde
             No manto dourado em dunas…
Meu corpo esqueceram puro,
         Um subterrâneo grão escuro
                 Numa terra que é nenhuma...
O eterno Siroco, apenas, me ouve:
    Sou a tênue palavra que ressoa
        Num resquício purpúreo, noturno…
Fale de dentro, ó silêncio!
    Fale! antes que a alma suma,
         Antes que o vento me faça duna…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s