Verboalquimia

A Salamandra é da matéria do sonho:
Corte-lhe o rabo, ele cresce de novo,
Jogue-a na caldeira, ela sobrevive ao fogo.
Ele renascido é impulso, ela no fogo é poesia
E ambos são para a maior glória da Obra
Que doura a língua e fosforesce a alma.
No alambique da mente, verbal ourivesaria,
Versos pitagóricos, pois tudo é sensível!
(Mesmo no elemento bruto dorme o amor).
O segredo dos alquimistas, o quanto existiu,
Eles transmutaram em palavras escritas,
Não nas entrelinhas, mas cristalografia
Que decantará o subentendido; assim será
A sublimação do trabalho em poesia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s